Busca por palavras chave:
 
  sexta-feira, 17 de agosto de 2018  
Home
ELEIÇÕES 2018 - DOCUMENTOS
PED 2017
Vídeos PT
História
PT Estadual
Notícias
Artigos
Secretarias
Secretarias Setoriais
Documentos
Galeria de Fotos
Diretórios municipais
Links importantes



 Neste 17 de maio, conheça avanços do PT no combate à homofobia

Apesar do longo caminho que ainda precisa ser trilhado, é inegável que a partir dos governos do PT, com Lula e Dilma no planalto, os avanços foram significativos para a população LGBT. Escutando as demandas do movimento, políticas foram implementadas não apenas no âmbito federal, como também nos estados e municípios.

O dia 17 de maio, Dia Internacional Contra a Homofobia, é uma data que serve para relembrar os avanços da população LGBT no país e principalmente identificar e combater as ameaças que ainda afligem esse grupo social. A data foi instituída depois de 1990, quando a homossexualidade foi retirada da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde (CID).

Em 2017, foi criada a Secretaria Nacional LGBT do partido com o objetivo de empoderar e fortalecer a luta LGBT por direitos, pela diversidade no interior do partido, nos estados, nas cidades, junto com o movimento de mulheres, com a juventude, com o movimento popular, movimento sindical.

A secretária  Janaína Barbosa de Oliveira ressalta como principais conquistas do período até hoje as campanhas e programas para a saude da população LGBT, o reconhecimento dos direitos de casais de mesmo sexo no serviço público federal, a criação do módulo LGBT no Disque 100 e a realização da 1ª Conferência Nacional de Políticas Públicas e Direitos Humanos LGBT.

Desde então, ocorreram muitos avanços das pautas LGBT no mundo e no Brasil, mas muitos desafios permanecem, especialmente no combate ao preconceito e à violência. Em pleno ano de 2018, contudo, a transexualidade permanece como doença no CID.

Com o golpe que tirou do poder a presidenta legitimamente eleita  Dilma Rousseff, muitos retrocessos se impuseram sobre essas populações. Entre os quais, destaca Janaína, a retirada da base curricular de ensino sobre orientação sexual e identidade gênero, o aumento da violência contra a população LGBT, a falta de investimento financeiro para aplicação de politicas publicas e o avanço do conservadorismo.

Avanços recentes disputam espaço com desafios para o próximo período

Ainda em 2003, primeiro ano do governo Lula, a Secretaria de Direitos Humanos foi elevada à categoria de ministério, aumentando seus recursos, autonomia e poder de transformação social. Em 2004 foi criado o programa “Brasil sem Homofobia”, com o objetivo de promover a cidadania e os Direitos Humanos à população LGBT a partir de equiparação de direitos e do combate à violência e à discriminação.

No ano de 2005 o Conselho Nacional de Combate à Discriminação e Promoção dos Direitos LGBT teve sua estrutura modificada e passou a contar, obrigatoriamente, com a participação de membros da população LGBT.

Em 2008 foi realizada a 1ª Conferência Nacional de Políticas Públicas e Direitos Humanos LGBT. Considerada um marco histórico, a conferência convocada por decreto presidencial foi a primeira a ouvir, em âmbito nacional, as demandas da população LGBT. O encontro mobilizou governos estaduais, Ministério Público, representantes dos poderes legislativo e judiciário e a sociedade civil organizada.

No ano seguinte foi criada a Coordenação Geral de Promoção dos Direitos de LGBT, subordinada à Secretaria de Direitos Humanos, que ficou responsável por articular ações com os demais ministérios e órgãos do Governo Federal.

O Plano Nacional de Promoção da Cidadania e Direitos Humanos LGBT veio em 2010, inserindo diversas ações de valorização por renda, escolarização, educação, acesso à saúde, identidade de gênero e prevenção à violência homofóbica. Nesse ano também ocorreu a extensão de direito de declaração conjunta para casais homoafetivos pelo Ministério da Fazenda, medida válida, inclusive, para fins de Imposto de Renda.

Já com Dilma Rousseff, em 2011 foi implementado o módulo LGBT no Disque 100, que passou a estar mais bem preparado para receber denúncias de violações de direitos da população LGBT. Nesse ano também foi realizada da 2ª Conferência Nacional de Políticas Públicas e Direitos Humanos LGBT, que mais uma vez discutiu nacionalmente, com diversas entidades governamentais e da sociedade civil os avanços políticos e sociais sobre o tema.

Em 2013 o Sistema Único de Saúde (SUS) passou a contemplar o atendimento completo para travestis, transexuais e transgêneros, como terapia hormonal e cirurgias. A identidade de gênero passou também a ser respeitada, com a inclusão do nome social no cartão do SUS.

Também foi em 2013 que os casais homoafetivos passaram a ter, oficialmente, os mesmos direitos de qualquer casal, como plano de saúde, licença casamento, entre outros. Nesse ano o governo brasileiro ainda assinou a Convenção contra Todas as Formas de Discriminação e Intolerância da Organização dos Estados Americanos.

O governo Dilma ainda criou o Sistema Nacional LGBT, estrutura articulada para incentivar a criação de programas de valorização dessa parte da população, comitês de enfrentamento à discriminação e combate a violência, além de oferecer apoio psicológico e jurídico para LGBTs nessa situação.

Em 2016 o então prefeito de São Paulo, Fernando Haddad inaugurou o Centro de Cidadania LGBT “Laura Vermont”, em São Miguel Paulista, na zona leste da cidade. O projeto, que também incluiu uma unidade móvel, foi criado pela Coordenação de Políticas para LGBT, da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania.

Após o golpe contra Dilma, o PT avançou internamente e em 2017 criou a Secretaria Setorial Nacional LGBT do partido, com assento e direito a voz no Diretório Nacional e na Comissão Executiva Nacional do partido.

Em 2018 a Comissão Executiva Nacional do PT aprovou em reunião uma histórica Resolução sobre a cidadania LGBT e o reconhecimento da identidade de pessoas Travestis, Mulheres e Homens Trans. A ocupação das pessoas de identidade de gênero feminina nas cotas reservadas às mulheres passou a permitir a presença de pessoas Travestis e Transexuais. Homens trans no PT são reconhecidos pela sua identidade de gênero.

No Congresso Nacional, a deputada federal Erika Kokay (PT-DF) é uma das principais vozes em defesa da cidadania LGBT e uma das mais aguerridas parlamentares contra o crescente fundamentalismo que quer negar a diversidade humana e as múltiplas formas de ser e de amar.

A deputada, autora de proposições de lei que asseguram a identidade de gênero (PL 5002/2013) e o casamento civil igualitário (PL 5120/2013), é enfática ao afirmar que “o Brasil não será um país verdadeiramente democrático, justo e igualitário enquanto houver dor para se exercer o direito de ser como se é”.

Desafio da violência

Apesar de todo o trabalho realizado ao longo de anos, o Brasil ocupa o primeiro lugar nas Américas em quantidade de homicídios de pessoas LGBTs e também é o líder em assassinato de pessoas trans no mundo, segundo relatório da Associação Internacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transgêneros e Intersexuais (ILGA).

De acordo com dados do Grupo Gay da Bahia (GGB), a cada 19 horas, uma pessoa LGBT é morta no país. No ano passado, 445 pessoas foram assassinadas no Brasil por serem LBGTs.

Somente nos quatro primeiros meses deste ano, 153 pessoas LGBTs foram assassinadas no país. A população trans é a mais atingida por essa violência: segundo a Rede Trans Brasil, a cada 26 horas, aproximadamente, uma pessoa trans é assassinada.

Este cenário vem se recrudescendo desde o golpe de 2016, com a exacerbação dos discursos de ódio contra a esquerda e os direitos humanos.

Da redação da Agência PT de notícias

Home Voltar Versão para Impressão Divulgar

  PT ESPÍRITO SANTO: Rua Graciano Neves,386 - Centro - Vitória/ES CEP: 29015-330 - Tel: (27) 3223-3455
  Copyright © 2009