Busca por palavras chave:
 
  quinta-feira, 15 de novembro de 2018  
Home
PED 2017
Vídeos PT
História
PT Estadual
Notícias
Artigos
Secretarias
Secretarias Setoriais
Documentos
Galeria de Fotos
Diretórios municipais
Links importantes



 Criação da pasta da Segurança Pública não resolve problema

A criação do Ministério da Segurança Pública, anunciada oficialmente pelo governo golpista deMichel Temer (MDB) nesta segunda-feira (26), foi criticada por especialistas que acompanham o tema no país.

 

A professora Cristiane Zackseski, do Núcleo de Estudos sobre Violência e Segurança (Nevis) da Universidade de Brasília (UnB), considera que a iniciativa não traduz exatamente um avanço no combate à criminalidade por parte do estado.

“Não há necessidade de um ministério nessa área. Nós temos é que colocar em curso uma política verdadeira de segurança pública que tenha por base uma melhor conjugação de forças nessa área”, afirma.

Como exemplos de medidas consideradas mais efetivas para o controle da violência, ela cita, além da promoção de políticas sociais, a desmilitarização da polícia, o investimento em inteligência e a unificação das diferentes polícias, de forma a tornar mais eficiente o trabalho dos agentes.

A nova pasta deve aglutinar os comandos da Polícia Federal, da Polícia Rodoviária Federal (PRF), do Departamento Penitenciário Nacional (Depen) e da Secretaria de Segurança Pública. Os quatro órgãos eram, até então, uma competência do Ministério da Justiça.

A novidade se dá em meio ao contexto de intervenção militar no Rio de Janeiro, iniciada na semana passada. O envio das tropas federais é defendido pelo governo como ação emergencial para frear a violência no estado. Somadas, a intervenção e a inauguração do Ministério são apontadas por opositores e especialistas como medida de caráter midiático.

Com forte apelo popular, as duas seriam, juntas, parte do plano de marketing de Temer, que tenta aumentar a popularidade para pleitear junto ao partido uma candidatura à Presidência da República.

Diante desse contexto, a novidade também encontra resistência entre quem atua na ponta do problema da violência. O tenente da Polícia Militar do Ceará Anderson Duarte, porta-voz da entidade Alip Brasil (Agentes da Lei contra a Proibição de Drogas), classificou a criação do Ministério como uma “medida populista.”

“Quando tomamos conhecimento, sequer veio a esperança de mudanças. Apenas um grande ceticismo. Do ponto de vista da redução da violência, é uma medida inócua”, disse.

A ONG Instituto Sou da Paz, que nos últimos anos defendeu a criação do ministério como ponto de uma agenda prioritária para a segurança, também acredita que, neste momento, a medida não deve surtir o efeito prometido, como afirma o diretor-executivo da entidade, Ivan Marques.

Ele aponta como problemas a falta de orçamento e a incapacidade de garantir as políticas necessárias à área, como a criação de uma escola nacional de formação para polícias e a padronização das estatísticas de segurança pública. Essa última é considerada essencial para a elaboração de estudos e diagnósticos mais precisos sobre a problemática da violência.

“Me parece que um ministério criado neste momento tende a esvaziar os trabalhos do Ministério da Justiça e começar uma estrutura sem muita musculatura”, avalia.

Realocação

Para o ex-ministro da Justiça Eugênio Aragão, a realocação de alguns dos órgãos que ficarão a cargo do novo ministério pode prejudicar as responsabilidades originais dessas subpastas do ponto de vista técnico.

Ele menciona, por exemplo, que o trato com o Judiciário, tradicionalmente a cargo do Ministério da Justiça, não pode ser divorciado da política penitenciária. Por conta disso, na maioria dos estados da Federação, essa competência é atribuída às Secretarias de Justiça, e não às de Segurança Pública.

“Alguns temas têm que ser tratados de forma inter-relacionada pra que realmente possam prosperar. A localização do tema penitenciário na Secretaria de Segurança Pública ou no Ministério da Segurança é uma excrescência, um completo desvirtuamento desse tema”, aponta.

Ministro

A nova pasta terá à frente o atual titular do Ministério da Defesa, Raul Jungmann. O general Joaquim Silva e Luna, atual secretário-executivo da Defesa, deverá assumir interinamente no lugar dele.

Filiado ao PPS, Jungmann foi um dos articuladores políticos do golpe que depôs a presidenta Dilma Rousseff(PT), em 2016, quando era deputado deputado federal e vice-líder da minoria na Câmara dos Deputados, então oposição ao governo petista.

Entre outras coisas, o novo ministro atuou também como um dos articuladores da suspensão da posse do ex-presidente Lula (PT) como ministro da Casa Civil, em 2016, quando Dilma quis nomeá-lo para o cargo.



Por Brasil de Fato

Home Voltar Versão para Impressão Divulgar

  PT ESPÍRITO SANTO: Rua Graciano Neves,386 - Centro - Vitória/ES CEP: 29015-330 - Tel: (27) 3223-3455
  Copyright © 2009